A cidade melancólica

RECORDAÇÕES DA CASA AMARELA
João César Monteiro

Em Recordações da Casa Amarela (1989), vencedor de um leão de prata em Veneza 89, César Monteiro volta-se para o ambiente urbano contemporâneo, no caso a zona velha de Lisboa, onde os seus traços autobiográficos podem confortavelmente ser expostos.

«Na minha terra chamavam casa amarela à casa onde guardavam os presos. Por vezes, quando brincávamos na rua, nós, crianças, lançávamos olhares furtivos para as grades escuras e silenciosas das janelas altas e, com o coração apertado, balbuciávamos: “Coitadinhos”... »

Na juventude de Monteiro, “Casa amarela”, era o que se chamava às prisões onde se deixavam os “negros”. O título do filme é então uma espécie de trocadilho com o livro de Dostoiévski92, Recordações da Casa dos Mortos, que contém uma narração autobiográfica sobre a passagem do escritor pela prisão. Neste filme a casa amarela não é uma prisão. É um manicómio .
A abertura do filme inicia-se com um monólogo de João de Deus sobre percevejos, enquanto é projectado um vagaroso travelling sobre Lisboa, filmada do Tejo, descobrindo uma das partes mais antigas da cidade, desde o Terreiro do Paço à Madre de Deus.
João de Deus vive numa pensão barata na zona antiga ribeirinha. Uma casa velha acha ele, mas que Dona Violeta corrige - “barrocas Senhor João. Isto foi casa de marqueses e marquesas, de príncipes de Portugal!”.
Monteiro inspira-se nas comédias portuguesas dos anos 30 e 40, ao retratar a vida bairrista de Lisboa e faz mesmo referência ao filme do Pátio das Cantigas de Francisco Ribeiro (1942) quando cita na Comédia de Deus “Ó Evaristo tens cá disto?”. Nas antigas comédias a temática da oposição cidade-campo era marcada pelo espaço urbano que se assemelhava ao mundo rural, transferido para os pátios e os bairros interiores. Nos filmes deste realizador essa temática é recuperada através da sua personagem perversa e libertina:
“João de Deus altera-se na cidade. Pertence a um mundo que já desapareceu. Pertence a um mundo rural, é-lhe difícil adaptar-se a um mundo urbano.”93

O Cinema e a música são os amparos de João de Deus: ele tem um poster de Erich von Stroheim94, ouve Schubert95 e encanta-se com o clarinete da menina Julieta.

“(...) é ou não função da arte a de nos ajudar a viver melhor?"

Recordações da Casa Amarela é também um filme sobre a maternidade, para além de vários planos de estátuas de Maria com Jesus ao colo e da sequência “dramática” da visita de João à sua mãe, quem marca definitivamente este tema é Mimi , uma prostituta que também vive na pensão, com quem João de Deus se envolve intimamente e descobre que vai ser mãe . Antes de morrer, por causa de um aborto mal feito, Mimi tem o seu grande momento: o plano das mãos de Mimi a dizer: “Bastar-me-á, então, enterrar ambas as mãos na terra para sentir que tudo nasce dela”.

Após a tragédia de Mimi, João de Deus transforma-se: depois da tentativa de violar a menina Julieta (filha de Dona Violeta) foge da pensão e torna-se mendigo. Nesta altura do filme Monteiro faz uma sequência documental de uns mendigos em fila de espera para comer uma sopa algures no centro da cidade.
João de Deus decide transformar-se novamente, num esforço final delirante veste-se de oficial e deambula pela cidade. Andando pelo passadiço provisório no meio do bairro de Lisboa que ardeu em 1988, com o modo de andar semelhante à da personagem EL de Buñuel, Monteiro testa as reacções espontâneas das pessoas : “As pessoas, de hoje em dia, andam muito distraídas na rua. Muito fechadas sobre si mesmas. Acho que já não reparam em nada.”

Este filme revela um ponto de vista angustiante sobre o estado da sociedade portuguesa - “O papel dos artistas é o de mostrar as dificuldades de uma sociedade, enquanto o do poder é tentar escondê-las.”

Depois de entrar num quartel João de Deus é mandado para um hospício.
No hospício um velho amigo internado confia-lhe uma missão - “vai e dá-lhes trabalho”. Segue-se o plano final do filme, catártico e expiatório, que funde a visão infernal de César Monteiro com a de Murnau100: João de Deus aparece vindo das entranhas da terra, dos vapores dos esgotos mal cheirosos de Lisboa, para tramar as belas donzelas. Bénard da Costa vai mais longe dizendo que é um vampiro tipicamente lisboeta: algo curvado, cinquentão, pedófilo e tarado.

“Fiquem os turistas com a ville blanche. Quem cá morrer sabe como tudo é escuro. Tão escuro que, no final - quando João de Deus reencarna em Nosferatu - João César não precisou de qualquer efeito para o enquadrar em décor expressionista.”

Serge Daney102, um amigo a quem Monteiro dedicou o A comédia de Deus, dizia que João de Deus era um monstro urbano, um homem que na cidade se tornava num monstro.
João de Deus, o anti-héroi, assume o Bem e o Mal, santo patrono dos pobres e dos aflitos, senhor dos hospícios, figura esquelética, é a “famigerada criatura que não resiste ao pecado” diz César Monteiro. Detentor de um perfil caricatural – o Nosferatu – que assim lembra o filme de Murnau e da sua personagem vampírica no filme Nosferatu, Eine Symphonie des Grauens (1922).
Lisboa tem um verso e um reverso, como Bénard da Costa refere, em que “o verso vê-se do rio e é bom para os poetas. O reverso vê-se em terra e é bom para os pintores.”
Mas são as surpresas que surgem para lá das fachadas pombalinas que César Monteiro quer mostrar. Porque “Quem vê caras não vê corações!”, esta cidade secretíssima está cheia de estranhos bairros, ruas, praças e becos que desconhecemos e que João de Deus nos apresenta vivendo-os de uma forma que desarma o mais céptico dos espectadores.

Visual Acoustics Trailer

TÉ QUANDO?

Image Hosted by ImageShack.us

obrigada

















queria agradecer a todos os que responderam ao convite.
estou ansiosa por vos rever, até amanhã!

outro campeonato...

Try JibJab Sendables® eCards today!

clima de ferias




Enquanto não organizamos as fotos da nossa última aventura por estas bandas aqui vos deixo um video divertido e educativo!
 Uma dica para aqueles que nunca sabem o que hão de oferecer às suas caras metade!


Mais umas relíquias do fantástico 2ºano...

relíquias desse 4º ano

clique na imagem para aumentar.



27/06/09, 15:42

Relíquias (continuação)







relíquias



Esta matou-me...


Pequenas Grandes relíquias.
Vindas directamente do 1º ano da faculdade.
Ainda não saí do chão de tanto rir.
fotos gentilmente cedidas pela Arqª Assunção Freitas Alves (aka Sandra)

UPDATES


Arqº Macedo Cadeco, Arqº José Martins e Arqº Daniel Ferreira
O Arqº Machado Cadeco
Arqª Maria Vieira e Arqª Dulce Fernandes
& Arqº José Salvado


Todos de boa saúde e a prepararem as últimas entregas. Ou os trabalhos EXTRA faculdade (remunerados).

Rissóis, panados e Tony Carreira.

Perfeito.

Crise

Olhem-me para estes estudiosos!

video

...e pró pessoal que tá em S.Paulo não deixem MESMO de ir ver o turismo infinito ao SESC Pinheiros.
pra quem não teve oportunidade de ver no Porto e em Viseu (durante 2007 e 2008), é uma peça encenada pelo Ricardo Pais (que agora nos abandonou no S.João) e escrita por António Feijó a partir de textos de Fernando Pessoa. para além de ser a estreia no dispositivo cénico do nosso querido Manuel Aires Mateus - e muitíssimo bem, qual João Mendes Ribeiro qual quê.
querem mais?

Apeteceu-me!

video



NIKE PRESENTS ONWARDS


directed by James Jarvis and Richard Kenworthy

(check it out)


in

http://www.onwards.tv/

Decreto 73/73 finalmente revogado

A revogação do Decreto 73/73 foi votada na generalidade ao final da manhã de 15 de Maio e aprovada com os votos a favor de todos os partidos com assento parlamentar, à excepção do PCP que se absteve.

A propósito deste acto histórico, o Conselho Directivo Nacional da Ordem dos Arquitectos emitiu a seguinte informação:

HOJE É UM DIA HISTÓRICO PARA O DIREITO DOS CIDADÃOS À ARQUITECTURA

A Assembleia da República aprovou hoje em plenário a Lei que revoga o Decreto 73/73. Após 36 anos, esta nova Lei vem finalmente consagrar o direito dos cidadãos à arquitectura e o reconhecimento pleno da profissão de arquitecto.

A Ordem dos Arquitectos congratula-se com a aprovação da nova Lei que revoga o Decreto 73/73. Com esta revogação, conclui-se um longo caminho em defesa do interesse público pelo pleno reconhecimento do direito dos cidadãos à Arquitectura e do exercício profissional dos arquitectos que, desde 1973, envolveu sucessivas gerações de arquitectos e muitos milhares de cidadãos, nomeadamente no âmbito da Iniciativa Legislativa de Cidadãos de 2005.

Porém, esta nova Lei vai mais longe, integrando o Projecto da Iniciativa de Cidadãos e a Proposta de Lei 116/X do Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, pois estabelece a qualificação profissional dos técnicos para a elaboração de projectos de arquitectura, de engenharia e de arquitectura paisagista, bem como para a direcção e fiscalização de obras públicas e privadas, equacionando exigências e responsabilidades, direitos e deveres.

Para este processo que hoje se conclui, foi fundamental a recente aproximação e o acordo histórico entre a Ordem dos Arquitectos e a Ordem dos Engenheiros, através de uma Proposta Global de Alterações que teve acolhimento no texto da nova Lei. Corrigiram-se os aspectos mais lesivos para o exercício profissional dos arquitectos e dos engenheiros contidos na versão original, simplificando-se e clarificando-se o diploma, e redefinindo conceitos técnicos e diversas disposições. Garante-se, no particular dos arquitectos, o respeito por todos os seus actos próprios consagrados no Estatuto da Ordem dos Arquitectos.

Abre-se agora um novo capítulo na vida dos arquitectos portugueses, mais exigente e de maior responsabilidade, que progressivamente garantirá melhor ambiente construído e mais qualidade de vida para os cidadãos, com mais e melhor arquitectura para todos.

Ordem dos Arquitectos

15 de Maio de 2009

fim do mundo!

isto de ter dois blogues é complicado porque nunca sei bem onde é que hei de meter as coisas.

mas como veio para aqui essa grande curta-metragem "Tango" achei por bem falar do fim do mundo no andesedepois por isso se se interessarem pelo assunto, passem por lá.

dia 18 maio no Porto



Anthony and the Johnsons em Lisboa, Braga e Porto e nós aqui...



para ajudar os mais tensos

Tão só uma das melhores curtas da história... (e escandalosamente só tem 90 views no youtube!)

Ebony Bones - Muzik

Ebony Bones - 'The Muzik' from bang on on Vimeo.


Trigo, Mariana e outros interessados.. tou colado nesta merda..
Ebony Bones!
No Festival SUDOESTE a 6 de Agosto

~~CAPRI~~


mbora o concurso seja já de 2007, descobri agora os resultados do concurso académico para a nova ponte museu da Academia em Venza.



1º Classificado


2º Classificado


3º Classificado






Houve também uma menção honrosa para um Português, Francisco Gomes


4ª Menção Honrosa




Agora reparem nestas pérolas







O melhor de todos







o fim?







Blogger Template by Blogcrowds


Copyright 2006| Blogger Templates by GeckoandFly modified and converted to Blogger Beta by Blogcrowds.
No part of the content or the blog may be reproduced without prior written permission.